terça-feira, 18 de julho de 2017

Todas as frentes de luta contra o capital e seus lacaios


Coletivo Espaço Marxista
julho de 2017

Conforme era esperado, Lula é condenado pelo juiz-inquisidor tucano Sergio Moro. Toda a narrativa "lavajatiana" foi construída rumo a isso desde o início, dentro de um projeto deliberado para destroçar o PT e suas lideranças, bem como os setores da burguesia brasileira alinhados ao nacional-desenvolvimentismo petista. As implicações geopolíticas são muito evidentes para que se possa acreditar na cantilena hipócrita do "combate à corrupção". O fato de políticos arqui-corruptos, de Aécio a Temer, passando por Jucá, escaparem incólumes da sanha "justiceira" dos procuradores de Curitiba, apesar de fartas provas (ao contrário de Lula, cuja condenação no caso do tríplex no Guarujá se deu na base do "disse-me-disse" e papeis sem assinatura), é exemplo evidente da seletividade da operação. Aécio é emblemático: apesar de gravações em áudio e tudo o mais (onde diz que mataria antes de ser delatado), foi afastado do mandato de senador por pouquíssimo tempo, tendo retornado inclusive a tempo de votar contra os trabalhadores, na aprovação da nefasta reforma trabalhista no Senado; já Delcídio do Amaral por muito menos sofreu execração pública e foi humilhantemente arrastado ao cárcere, em pleno exercício do mandato (o que contraria a Constituição, que só admite prisão nessas circunstâncias em caso de flagrante delito). A diferença é óbvia: Aécio é tucano, enquanto Delcídio era do PT. Apenas imbecilidade e má-fé podem justificar a crença na "imparcialidade" dos impolutos "combatentes da corrupção" da máquina judiciária-policial burguesa.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Pequena nota sobre o poder da greve



Graco Babeuf
simpatizante do
Coletivo Espaço Marxista

A democracia burguesa é inimiga do desenvolvimento da consciência da luta de classes. O mundo da igualdade perante a lei legitima-se no discurso da igualdade de oportunidades ao mesmo tempo em que escamoteia a desigualdade de condições, levando a um certo conformismo com o status quo ante a possibilidade de ascensão social e identificação dos excluídos com os excluidores. As grandes transformações sociais ocorreram não pela convivência pacífica entre os diferentes socialmente, mas devido a uma situação de tensão extremada entre aqueles que possuem muito e os que possuem pouco. E para os que possuem muito, o maior perigo vem das camadas que não possuem nada a perder. Foram nos momentos iniciais da Revolução Industrial e do desenvolvimento do capitalismo no período fordista taylorista que o movimento sindical classista fortaleceu-se. Os trabalhadores, com quase direito nenhum, reivindicaram férias, descanso remunerado e aposentadora.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Solidariedade aos servidores de Curitiba contra os ataques de Greca


Coletivo Espaço Marxista
junho de 2017

Nesta segunda-feira (26) a Câmara Municipal de Curitiba-PR aprovou os principais pontos do pacote de ajuste fiscal do prefeito Rafael Greca (PMN). Tal "pacote das maldades" é uma brutal agressão contra a população curitibana e seus servidores: dentre as medidas, autoriza o saque pela prefeitura de milhões do fundo de aposentadoria (o que pode ter consequências graves para os aposentados no futuro próximo), aumenta de 11% para 14% as contribuições previdenciárias do funcionalismo e adia a data-base do seu reajuste salarial anual de março para outubro. Durante a votação houve protestos e os servidores foram severamente reprimidos pelas forças policiais.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Declaração da FPLP sobre os 50 anos da Guerra dos Seis Dias


Publicamos abaixo a declaração da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) nos marcos dos 50 anos da Guerra dos Seis Dias. O Coletivo Espaço Marxista expressa sua total solidariedade ao povo palestino em sua luta contra a ocupação sionista.

Declaração da Frente Popular para a Libertação da Palestina no 50º Aniversário da Derrota de Junho: combater o sionismo e o imperialismo!

05 de junho de 2017

O dia 5 de junho marca os 50 anos da derrota de 1967, cujo principal resultado foi a completa ocupação do resto da Palestina, bem como das Colinas de Golã na Síria e do Sinai no Egito. Esse acontecimento aprofundou o conceito da derrota e suas implicações no pensamento e prática árabes e gerou inúmeros esforços no sentido de se obter uma solução para o conflito árabe-sionista.

sábado, 17 de junho de 2017

Setor naval brasileiro e a guerra na arena capitalista


Coletivo Espaço Marxista
junho de 2017

Em meados de 2014 a indústria naval brasileira começou a apresentar sintomas de deterioração. As primeiras demissões em massa começaram a acontecer no segundo semestre do ano e se incorporaram com um volume significativo à estatística nacional de desempregados.

Diversos estaleiros da costa brasileira passaram a diminuir sua força de trabalho vertiginosamente até chegarem ao nível crítico de fecharem suas portas temporariamente, na tentativa de se manter hibernados até que a crise instaurada no Brasil passasse e os investimentos bilionários da Petrobrás voltassem para as empreiteiras brasileiras, mas não foi o que aconteceu.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...